O representante alagoano na Série D de 2014

Tem-se observado comentários de cronistas esportivos em emissoras da capital e de Arapiraca acerca dos critérios definidores, segundo o regulamento do campeonato estadual, do clube representante de Alagoas na Série D de 2014.
 
Percebe-se a existência de opiniões diversas acerca desse assunto, o que leva à crença de que o dito regulamento fora mal elaborado.
 
Uma particularidade está lá cristalinamente definida. No caso de ASA ou CRB não serem campeões estaduais, qualquer outra equipe que conquiste esse título terá assegurada a vaga na Série D, conforme disposto no Art. 27 do regulamento da competição. Isso aí é ponto pacífico.
 
O problema se apresenta na eventualidade de o ASA ou o CRB levantar o caneco mor do campeonato estadual. Aí o caldo entorna. Na ocorrência dessa hipótese, o regulamento apesar de muito mal redigido, pois não transmite clareza ao torcedor, já definiu a vaga para o clube com MELHOR ÍNDICE TÉCNICO do 2° turno, conforme escrito no Art. 27.
 
Esse é o xis da questão. O que seria esse tal “índice técnico”? Tal resposta deve, necessariamente, ser buscada no próprio regulamento, senão estar-se-ia legislando durante ou após a disputa do campeonato, o que feriria de morte o Estatuto do Torcedor, que obriga as federações a publicarem tais normativos sessenta dias antes do início do apito inaugural de qualquer campeonato disputado no território brasileiro.
 
O Art. 8° do regulamento do campeonato alagoano deste ano prevê que, ao final das dez rodadas do 2° turno, classificar-se-ão duas equipes em cada chave para as semifinais, obedecendo ao ÌNDICE TÉCNICO. Vejamos esse dispositivo na íntegra:
 
Art. 8º - Após a realização dos jogos previstos pela tabela, será feita a computação dos pontos ganhos, definindo-se a classificação final das associações no Segundo Turno (Copa Maceió Chevrolet Ônix 2014) por Chave, classificando-se para as Semifinais as duas primeiras colocadas por índice técnico de cada Chave. (grifos nossos)
 
Vê-se que o próprio regulamento define o que é o tal índice para classificar os quatro finalistas da competição. Aqui (Art. 8°) fica evidenciado que a conquista de pontos ganhos é o primeiro “índice técnico”.
 
Na sequência, o Art. 9° diz que, em havendo empate no número de pontos, os critérios de desempate serão, nesta ordem: maior n° de vitórias, melhor saldo de gols, vencedor do confronto direto (se dois clubes estiverem em igualdade nos critérios anteriores), maior n° de gols marcados, menor n° de gols sofridos e, por último sorteio.
 
Não resta, portanto, nenhuma dúvida de que o regulamento do campeonato alagoano de 2014 define ÍNDICE TÉCNICO como a campanha do clube na competição, ou seja, pontos ganhos, número de vitórias e assim sucessivamente.
 
Para reforçar que, segundo o regulamento do Campeonato Alagoano de Futebol de 2014, MELHOR CAMPANHA é igual a MELHOR ÍNDICE TÉCNICO, o Art. 12 segue na mesma toada para definir os mandos de campo. O clube finalista com PIOR ÍNDICE TÉCNICO joga a primeira partida da decisão do campeonato em seu estádio e, consequentemente, o último jogo na casa do adversário com campanha superior. Senão vejamos o seu texto:
 
Art. 12º - Na Fase Final do Segundo Turno (Copa Maceió Chevrolet Ônix 2014), o título será decidido em duas partidas, definindo-se o mando de campo do primeiro jogo para a equipe de pior índice técnico em todas as fases e o segundo jogo com mando de campo, para a melhor equipe de índice técnico em todas as fases, sagrando-se campeã a associação que após os dois jogos somar o maior número de pontos ganhos, considerados os resultados obtidos exclusivamente nesta fase. (grifos nossos)
 
Restando apenas duas rodadas para o término da fase de classificação do segundo turno do campeonato alagoano, vê-se o CSE, o Coruripe e o CSA, nessa ordem, na luta pela vaga da Série D com o time de Palmeira dos Índios despontando com reais chances de conquistar a sua classificação, mesmo se não estiver na disputa direta do título do campeonato, ou seja, o vice campeão alagoano de 2014 poderá não ser o clube com o melhor ÍNDICE TÉCNICO, excetuando o campeão, graças à confusa redação do regulamento do campeonato alagoano.
 
Cabe aos clubes e principalmente à federação respeitarem o regulamento do campeonato ao pé da letra e que, nas próximas competições, dê-se tempo aos clubes para analisarem os textos com um mínimo de antecedência para depois não ficarem a chorar pelo leite derramado.